Sobre a empresa

O Hirota foi fundado em 1972, em São Paulo, por uma família de imigrantes japoneses. A rede cresceu ao longo dos 44 anos e já conta com 15 supermercados espalhados pela capital paulista e região metropolitana.

Desafio

O crescimento do Hirota nos últimos anos chamou atenção do grupo para a necessidade de investir em uma infraestrutura de TI mais moderna e segura, com autonomia para suportar o banco de dados e os sistemas de ERPs. Com o tempo, funcionários do grupo passaram a enfrentar uma rotina de lentidão, travamentos, falta de espaço em HD e quedas de links. “A todo momento recebíamos chamadas dos supermercados da rede reportando falhas no sistema”, conta Willian Vieira, coordenador de suporte do Hirota. A alternativa encontrada pelo Hirota para superar o problema foi montar um disaster recovery. A empresa se comprometeria a erguer um segundo espaço para abrigar uma nova infraestrutura de tecnologia. O principal objetivo era possibilitar a recuperação dos dados em caso de falhas. A ideia, no entanto, não saiu do papel. Segundo o coordenador, os gastos com equipamentos na nova central ultrapassariam R$ 120 mil: “Teríamos que gastar com servidores, nobreaks, energia, software, uma estrutura grande e que já ficaria obsoleta em três ou quatro anos”.

 


hirota-supermercados2

Solução

No início de 2016, o Hirota decidiu alocar seu banco de dados e seus sistemas de gestão nas nuvens. A decisão parecia viável após considerar as opções mais modernas no mercado, mas só foi tomada após a quebra de alguns paradigmas. Afinal, como convencer os diretores do grupo a substituir toda uma estrutura física por um sistema totalmente virtual? “A parceria da Amazon com a Sky.One foi essencial. Um player de sucesso mundial sempre traz respaldo”, diz Vieira. Antes de iniciar a migração, a Sky.One preparou todo o ambiente nas nuvens em instâncias EC2 Windows para receber a estrutura do Hirota. Além do banco de dados, o grupo possui sistemas de frente de caixa, de controle de filas, clube de vantagens, descontos, folha de pagamento, além de softwares específicos para o posto de gasolina e o restaurante.

Resultados

Com o banco de dados e seus sistemas nas nuvens, o Hirota ganhou velocidade e estabilidade no acesso às informações. A necessidade de realizar backups manuais e atualização de hardware ficou no passado, possibilitando que funcionários dedicassem mais tempo a demandas mais estratégicas dentro das lojas. Além do custo de oportunidade, o grupo também registrou queda nos custos financeiros com servidores, técnicos, licenças de software e principalmente em energia, uma das maiores fontes de despesa do Hirota em época de estrutura física.

“A todo momento recebíamos chamadas dos supermercados da rede reportando falhas no sistema.”

Willian Vieira
Coordenador de Suporte