Hoje, a computação em nuvem é utilizada para uma variedade de fins, incluindo a análise de dados, a realização de backups e o armazenamento de informações. E por mais que a nuvem seja extremamente versátil e ofereça diversas vantagens para as empresas, ela ainda não atingiu o seu ponto máximo de maturação. Assim como nos últimos anos, essa tecnologia continuará sofrendo drásticas transformações até o final da década.

E os gestores de TI das empresas, por sua vez, precisão ficar bastante atentos à essas transformações. Se eles não conseguirem acompanhá-las, então correrão o risco de não utilizar a nuvem da melhor forma possível e fazer o negócio perder importantes posições no mercado competitivo do futuro. A seguir, fizemos uma lista com os principais fatores que moldarão o ‘rosto’ da computação em nuvem até 2020. Confira quais são eles:

1. O crescimento da ‘economia da experiência’

Antes de tomarem uma decisão de compra, os consumidores levarão em conta fatores como a experiência que eles tiveram com a empresa e o valor gerado pelos produtos ou serviços adquiridos. E para oferecerem um maior valor e uma melhor experiência para os seus clientes, as empresas precisarão utilizar serviços de cloud computing extremamente eficazes. Caso contrário, perderão consumidores e, consequentemente, receitas.

2. A presença da IoT nos ambientes corporativos

Nos próximos anos, a IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas) será a força motriz por trás dos negócios. E a presença cada vez maior de dispositivos inteligentes no ambiente empresarial exigirá que as organizações façam um maior uso da computação em nuvem. Os provedores, por sua vez, precisarão entregar serviços de maior qualidade, para que as empresas tirem o máximo de proveito da Internet das Coisas.

3. A escassez de profissionais de TI qualificados

Até 2020, o departamento de RH da maioria das empresas enfrentará dificuldades para encontrar profissionais de TI experientes e qualificados, que saibam exatamente como fazer a nuvem gerar valor para os negócios. Como resultado, as organizações precisarão do apoio de serviços terceirizados ou dos próprios provedores, correndo o risco de não aproveitarem totalmente os recursos da nuvem.

4. O surgimento de novos provedores

Hoje, quem busca um provedor costuma ser ‘bombardeado’ por inúmeras ofertas. O fato é que, a cada ano que passa, mais provedores entram no mercado de cloud E devido à essa forte concorrência, o custo dos serviços de cloud estão ficando mais baratos e ganhando uma maior qualidade. Nos próximos anos, um dos principais fatores que as empresas deverão considerar ao contratarem um provedor é a experiência dele no mercado.

5. A redução dos preços dos componentes de TI

Já é esperado que o ‘rosto’ da computação em nuvem se transforme em uma solução híbrida de TI. E um dos fatores que estão contribuindo para a concretização dessa tendência é a redução dos preços dos componentes de TI, que ficaram menores devido ao uso explosivo da nuvem pública nos últimos anos. Mas antes de adotarem a nuvem híbrida, as empresas devem considerar os custos para manter uma infraestrutura de TI local.

Agora que você já viu os fatores que definirão o futuro da computação em nuvem, aproveite para escrever as suas dúvidas ou opiniões a respeito desse assunto no campo de comentários!

photo credit: Future Connected City: 2086 via photopin (license)[:]

Escrito por

Equipe Sky.One

Este conteúdo foi produzido pela equipe da SkyOne, composta por especialistas em nuvem e transformação digital.