A cloud computing, também conhecida no Brasil como computação nas nuvens ou computação em nuvem, está transformando os modelos de negócios e revolucionando a infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI). Para se ter uma ideia de como o mercado de TI (que inclui hardware, software, serviços e telecomunicação) é importante para a economia global, segundo a consultoria de pesquisa IDC, é esperado em 2016, aproximadamente, um faturamento de US$ 3,8 trilhões, um aumento significativo quando comparado a 2014, que representou US$ 3,7 trilhões na área de TI, podendo dividir a participação entre algumas regiões do globo:

https://www.comptia.org/images/default-source/researchreports/2016-IT-Industry-Outlook/slide1.png?sfvrsn=0

Cada vez mais as empresas estão amadurecendo a ideia de irem para cloud, mas acabam não procurando um modelo adequado para seus negócios – muito mais que uma tendência, esta tecnologia é uma nova realidade. Vejamos alguns detalhes desta nova indústria de TI que está sendo transformada pela computação em nuvem. Acompanhe!

Um dos recursos as TI é a cloud computing

Em constante expansão no Brasil e no mundo, a Tecnologia da Informação vem ganhando um empurrãozinho de novos recursos e ferramentas – a computação em nuvem. Nele é possível armazenar todos os ados em servidores online, que poderão ser acessados em qualquer hora e lugar do mundo, desde que tenha conexão com a internet. Isso possibilita que haja prejuízos com perdas de dados importantes caso o computador ou servidor venham a ter problemas.

A cloud computing é um modo de armazenamento com muitas vantagens para as empresas, como fácil acesso, mobilidades, segurança, redução de custos com servidores e energia elétrica, por exemplo. Além disso, outra grande possibilidade, é que você só paga pelo espaço e ferramentas que utilizar. Essa é a grande vantagem do Software as a Service (SaaS).

Característica da computação em nuvem

Cada vez mais organizações reconhecem a importância de irem para a nuvem, mas esquecem de se aterem ao modelo mais adequado para a utilização. Ou seja, a computação em nuvem pode ser composta por cinco característica básicas:

  • On-demand self-service;
  • Broad netwaork Access;
  • Resource pooling;
  • Rapid elasticity;
  • Measured service.

Ou seja, um dos pilares que toda organização deve ter para compor estas cinco características é a virtualização. Antes de qualquer decisão é preciso expandir o uso da virtualização para as camadas de infraestrutura de redes e de armazenamento. Quando a empresa consegue definir as camadas da infraestrutura por software é possível obter níveis de agilidade, disponibilidade, controle e programabilidade muito mais altos que o tradicional, permitindo que a infraestrutura se torne uma fundação sólida e adequada para se alcançar às cinco características citadas anteriormente e, este deve ser o passo inicial para atingir a maturidade durante a caminhada rumo à nuvem. Isso certifica que novos modelos de negócios e aplicações tornam a computação em nuvem a cara da TI.

Software as a Service (SaaS)

Em geral, trata-se de um software que é oferecido como serviço, assim, o usuário não precisa adquirir licenças de uso para instalação ou mesmo comprar computadores ou servidores para executá-los. Nesta modalidade a empresa paga um valor periódico – mensal, semestral, bimestral – que é apenas pago em relação aos recursos utilizados e/ou pelo tempo de uso.

A constante ampliação dos serviços de acesso à internet e o advento dos dispositivos móveis (tablets, smartphones e semelhantes) abrem cada vez mais espaço para aplicações nas nuvens – no qual um conceito depende do outro para gerar valor a usuários e organizações.

Gostou do post? Sua empresa já está sendo revolucionada pela computação em nuvem? Que tal compartilhar conosco sua experiência? Deixe seu comentário nos campos abaixo!

 

Escrito por

Equipe Sky.One

Este conteúdo foi produzido pela equipe da SkyOne, composta por especialistas em nuvem e transformação digital.