A quantidade de dados no planeta está crescendo a um ritmo muito acelerado. De acordo com uma pesquisa realizada pela IDC, geraremos cerca de 44 zettabytes (ou 44 trilhões de gigabytes) até 2020. Mas apesar desse drástico crescimento, causado pelo uso cada vez maior da internet e da IoT (Internet das Coisas) pela população mundial, o consumo de energia elétrica por Data Centers cairá significativamente nos próximos anos.

Isto é o que aponta um estudo do Laboratório Nacional de Lawrence Berkeley, localizado nos Estados Unidos. Segundo ele, a cloud computing será a grande responsável pela redução da demanda de energia elétrica, juntamente com as tecnologias de virtualização e as novas práticas de gerenciamento de centros de dados. A seguir, você descobrirá como a cloud consegue reduzir o uso de energia elétrica em Data Centers. Confira:

O histórico da demanda de energia elétrica

Para elaborarem o relatório sobre o consumo de energia elétrica por Data Centers, os pesquisadores do Laboratório de Lawrence Berkeley se basearam em uma série de estudos realizados desde 2000, e também nas previsões de consumo mais atuais e nas novas tendências tecnológicas surgidas nos últimos anos. Segundo o relatório, o consumo de energia elétrica por centros de dados aumentou 90% entre 2000 e 2005.

Já entre 2005 e 2010, a demanda cresceu 24%. E de 2010 a 2014, apenas 4%. Em 2014, os Data Centers dos EUA consumiram 70 bilhões de kWh (Quilowatt-hora), o que representa 1,8% do consumo total de eletricidade nesse país. Os pesquisadores esperam que o uso de energia aumente 4% entre 2014 e 2020 – o mesmo percentual registrado nos últimos cinco anos, apesar da crescente demanda por recursos de computação.

O papel da cloud nessa redução de consumo

Entre 2000 e 2005, as vendas de servidores nos EUA aumentaram 15% a cada ano. Já entre 2005 a 2010, as vendas anuais caíram para 5%. Este percentual caiu para 3% nos últimos anos, e deverá permanecer nesta taxa até 2020. O mercado de servidores está sofrendo com essa redução nas vendas devido à adoção cada vez maior da cloud computing pelas empresas privadas e pelos órgãos públicos.

Ao migrarem para a nuvem pública, as empresas deixam de utilizar os servidores físicos, que consomem muita energia devido à necessidade de refrigeração. Elas também passam a contar com a flexibilidade e a eficiência proporcionadas pela cloud computing, que as permite obter um maior poder de computação. Mas isto sem precisar investir na expansão de sua infraestrutura de TI e elevar o consumo de energia elétrica.

As tendências para os próximos anos

A utilização da cloud computing, juntamente com a adoção de práticas sustentáveis em centros de dados, resultou em um consumo relativamente estável de energia elétrica nos últimos cinco anos. Para os pesquisadores, esse consumo não irá crescer tanto até o final da década. Para eles, as tecnologias e as estratégias de eficiência energética poderão, inclusive, reduzir o consumo de 73 bilhões de kWh projetado para 2020.

Se implementadas corretamente, tanto a computação em nuvem como as práticas sustentáveis conseguirão fazer os Data Centers economizem 33 bilhões de kWh. Essa economia é benéfica não só para o meio ambiente, como também para os negócios das empresas. Quanto mais ecológicas elas forem, menores serão seus custos operacionais, e maior será a sua reputação no mercado competitivo da atualidade.

E sua empresa, já está reduzindo o consumo de energia elétrica migrando para a nuvem?[:]

Escrito por

Equipe Sky.One

Este conteúdo foi produzido pela equipe da SkyOne, composta por especialistas em nuvem e transformação digital.