Por: Roberto Arruda*

O que você vai fazer agora? Não somos super-heróis capazes de tirar uma força descomunal e ilimitada quando somos desafiados. Na minha infância, assistia diversas séries e adorava histórias em quadrinhos. Lembro de muitos super-heróis que, mesmo arrasados, conseguiam enfrentar as situações mais adversas, de verdadeiro fracasso em recuperações e vitórias. Acima de tudo, eram protagonistas, e possuíam valores morais que mesmo nos momentos mais difíceis não se afastaram deles. Os heróis nos mostram o quanto é possível sonhar, acreditar, o quanto ter medo faz parte, mas não pode nos paralisar.

Acredito que cada um de nós tem uma missão, vivemos momentos difíceis, assim como os super-heróis, por algum momento pensamos em fraquejar. Já passaram mais de 100 dias desde o início da pandemia, e os impactos nas pessoas e nas empresas foi terrível. Assim como super-heróis, os empreendedores reconhecem que o seu papel é servir, possuem uma inquietude e sabem o que é preciso ser feito. Construir a retomada é a próxima missão e ela sera refeita em meio as dificuldades que estamos enfrentando, onde não é vista esperança, os super-heróis iniciam sua jornada. Esse caminho a percorrer pelo herói, que pode enfrentar o lado ruim da força vai exigir o seu maior grau de comprometimento. Mais do que engajar a equipe, é também construir parcerias, ter agilidade, agora é preciso acelerar o ritmo de transformação, com inovação e superação.

Os esforços de mudança em um cenário imprevisível vão exigir novas habilidades e competências para se adaptar ao novo normal. Mas ele já surge a cada dia. Os pequenos sinais aparecem e esse talvez seja o primeiro exercício que você precise fazer. Esvaziar a mente e saber ler o que o mercado vem dizendo. O ano de 2020 não será como pensávamos em dezembro do ano passado. Nunca como antes passamos a reconhecer que somos 27 diferentes estados no Brasil que reagiram de forma independente e com resultados distintos nesses últimos meses. E agora irão exigir ações específicas de negócios também. Outro pequeno sinal vem de como visitávamos nossos médicos. Um bom exemplo do movimento “tele” ou “contactless”, que deve ser um novo imperativo nos negócios. Para uma reflexão final cabe olhar como cada um dos diversos segmentos de mercado está reagindo às novas regras de distanciamento. Por exemplo, o quanto irá acelerar a indústria diante do consumidor que “não consome”, apenas utiliza o produto enquanto este provê o serviço que lhe interessa. Como a indústria imobiliária irá desenhar os nossos escritórios para tirar proveito do trabalho remoto ou a indústria de turismo irá assegurar que você não fique doente na sua próxima viagem a trabalho.

Torne a Retomada algo pessoal. Um chamado para ação que realmente motive você e a sua equipe para agir. Ler os insights nesse momento irão proporcionar as condições para você desenvolver as novas habilidades necessárias para ser o protagonista nessa retomada. Vamos juntos. Agora depende de todos nós. 

*Roberto Arruda é Chief Revenue Officer (CRO) da Sky.One