Muitas empresas ainda possuem um hardware ou um software antigo do qual não conseguem se livrar. Isto geralmente acontece porque os gestores querem justificar o investimento feito para adquiri-los, ou porque eles têm um sentimento especial pelas tecnologias adquiridas há 10 ou 20 anos. Mas apesar de aparentar ser inofensivo, um hardware ou software legado esconde inúmeros perigos.

Abaixo, mostraremos quais são esses perigos por trás de tecnologias legadas, que podem gerar vários prejuízos para a empresa e até jogá-la para fora do mercado, e saiba qual a saída para contornar esses riscos: a computação em nuvem. Confira:

Aumento dos custos operacionais

Hardwares antigos não possuem as novas tecnologias de economia de energia, e softwares obsoletos são desprovidos de recursos de virtualização. Portanto, além de serem ineficientes, eles são mais caros para executar e manter. Como resultado, eles acabam aumentando os custos operacionais e corroendo boa parte do orçamento do departamento de TI, que fica impossibilitado de investir em projetos e outras tecnologias.

Isto sem contar o fato de que muitos fabricantes já pararam de fabricar peças de hardwares e atualizações de softwares. Se ocorrer uma falha e a área de TI necessitar delas, ela não terá como solicitá-las, e a empresa será impactada com isso. E principalmente em épocas em que a economia está desfavorável, as empresas não podem se dar ao luxo de aumentar seus custos se isso não gerar valor algum para o negócio.

Risco de violação de dados

Tecnologias obsoletas são extremamente vulneráveis a ataques cibernéticos. Isso porque quem as fabricou não cria mais atualizações de segurança para corrigir problemas. E se os criminosos descobrirem alguma ‘brecha’, eles a utilizarão para invadir o ambiente de TI da empresa e roubar seus dados. Consequentemente, isso vai gerar prejuízos financeiros – que podem chegar a dezenas ou centenas de milhões de reais – e manchará a sua marca no mercado.

Multas de órgãos reguladores

Os órgãos reguladores sabem da importância da utilização de tecnologias modernas para a segurança dos dados tanto das empresas como de seus clientes. É por isso que organizações que ainda utilizam hardwares e softwares obsoletos não conseguem cumprir as exigências de leis e regulamentos, como FERPA, HIPPA, EAR e ITAR, nem receber certificações, como ISO, MTSC e SOC.

Além disso, empresas que utilizam sistemas incompatíveis com os da atualidade são obrigadas a pagar multas para os órgãos reguladores, dependendo do mercado em que elas atuam. Estas multas têm um valor muito alto e são cobradas mensalmente, até a hora em que a empresa começar a operar com hardwares e softwares compatíveis e devidamente atualizados.

Perda de importantes posições no mercado

O avanço da tecnologia acabou criando novos pontos de interação com os clientes e aumentando o volume de dados corporativos, que não pode ser executado por sistemas legados que não foram projetados para acomodá-lo. Somente os novos hardwares e softwares podem armazenar e processar tal volume de dados de forma eficiente, sem comprometer as finanças da empresa.

Quem possui esses hardwares e softwares, pode ocupar uma posição à frente de quem não os tem, pois poderá tirar um maior proveito dos dados e melhorar a experiência de seus clientes. Hoje, as empresas nem precisam mais ter hardwares modernos para ficarem à frente da concorrência. Basta elas contratarem os serviços de um provedor de cloud computing e utilizarem a nuvem para armazenar seus dados e rodarem seus softwares.

Viu só quantos perigos uma tecnologia obsoleta esconde? E como há formas de evitar esses perigos com a computação em nuvem? Veja em detalhes como a nuvem, além de mais segura, também é uma ferramenta determinante para a inovação.

Escrito por

Equipe Sky.One

Este conteúdo foi produzido pela equipe da SkyOne, composta por especialistas em nuvem e transformação digital.