A transformação digital foi impulsionada rapidamente pela Covid-19 e pela necessidade de mover os profissionais que trabalham em escritórios para trabalhar remotamente dentro de suas casas. Isso levou a criação de milhões de escritórios conectados ao redor do mundo.

Por conta disso, não é surpresa que as violações de dados tenham crescido em volume e complexidade em 2020, com o número de violações aumentando 273% no primeiro trimestre, em comparação com 2019

Em todo o mundo, o sequestro de dados bateu recorde no primeiro semestre de 2021: foram detectadas 304,7 milhões de tentativas de ransomware no período de 6 meses, enquanto que o valor total do ano de 2020 ficou abaixo, com 304,6 milhões, segundo dados da empresa de cibersegurança SonicWall, divulgados no mês de julho de 2021. Nesse relatório, o Brasil ficou em quinto lugar na lista de países com maior número de ataques.

O que é ainda mais surpreendente é que apenas um hacker roubou 34 milhões de registros de usuários de dezessete empresas em 2020.

O trabalho remoto criou novas oportunidades para os hackers explorarem dispositivos e redes vulneráveis ​​de funcionários. Por conta disso, a McKinsey & Company estimou que a transformação digital avançou em até sete anos nos últimos meses.

Acompanhe este artigo até o final para conhecer as principais tendências de cibersegurança para 2022!

Leia também:

Como garantir a segurança de dados na nuvem?

7 tendências de desenvolvimento de software para 2022

Tendências de cibersegurança para 2022

O volume de dados armazenados será ainda maior nos próximos anos

O mundo armazenará 200 zetabytes de dados até 2025, de acordo com a Cybersecurity Ventures. Esse total inimaginável inclui dados armazenados em infraestruturas de TI privadas e públicas, em infraestruturas de serviços públicos, em centros de dados em nuvem e em dispositivos pessoais.

Saiba como garantir a segurança dos dados da sua empresa

Infográfico produzido pela Cybersecurity Ventures para representar o aumento no volume de dados.

As influências para que isso aconteça incluem a transformação digital e o modelo comercial das empresas, com mais pessoas fazendo negócios usando a internet como principal canal de transação de dados. Nosso modo de vida está cada vez mais online e a tendência é que continue assim.

Por isso fica claro que proteger esses dados de ataques não é uma tarefa fácil, especialmente quando existem tantos tipos e padrões de segurança variados nos dispositivos. É preciso buscar soluções mais avançadas.

Aumento das transações online se tornam alvos de ameaças cibernéticas

Durante a pandemia, os consumidores mudaram drasticamente para os canais online. Por sua vez, as empresas e setores comerciais responderam priorizando o digital.

Isso ficou comprovado com os entrevistados da pesquisa Cybersecurity Ventures: eles são três vezes mais propensos agora do que antes da pandemia a dizer que pelo menos 80% de suas interações com o cliente são de natureza digital.

Da mesma forma, aumentar o volume de transações aumenta os olhares criminosos para esses dados, que passam a ficar mais visados. Falando dos dados de pagamento então, quando usados em plataformas sem os padrões de segurança ideais, podem ser facilmente acessados. 

A tendência dos cibercriminosos é a adoção dos ransomwares

De acordo com um estudo de pesquisa da Deep Instinct, o uso de ransomware aumentou 435% em 2020 em comparação com 2019. O motivo é que o ransomware se tornou a arma preferida dos hackers no cenário digital induzido pelo Covid-19. A transformação de tantas empresas que operam em um modo predominantemente digital criou mais alvos de extorsão.

O detalhe é que o pagamento médio do ransomware cresceu para cerca de US$ 234.000 por evento, de acordo com a Coveware, empresa de segurança cibernética.

A maior mudança nos últimos dois anos é que os agentes de ameaças agora percebem que suas táticas se adaptam a empresas muito maiores, sem muito aumento em seus próprios esforços.

Especialistas confirmam que investir em cibersegurança é uma decisão de negócio

Selecionamos frases de especialistas que comprovam: a cibersegurança está ligada com as decisões de negócio como um todo.

Fonte: Cybersecurity Is a Business Decision, Publicado em 2 de novembro de 2020, Autores: Paul Proctor e Srinath Sampath 

  • “A segurança cibernética é uma decisão de negócios. Os CIOs devem adotar uma visão estratégica para a segurança cibernética como uma decisão de negócios que equilibra as necessidades de proteção com os resultados desejados. Os motivadores tecnológicos, ambientais e de negócios para a segurança cibernética influenciam como um programa de segurança cibernética é construído em um contexto de negócios. A confiança e a resiliência estão incorporadas na segurança e nos resultados de negócios”;
  • “Evolua a maneira como você mede e relata a segurança para refletir os níveis de proteção de seus principais resultados de negócios. Certifique-se de que seus controles de segurança cibernética sejam consistentes, adequados, razoáveis ​​e eficazes. Trate a segurança como uma decisão de negócios”.

Fonte: Top Strategic Technology Trends for 2021: Cybersecurity Mesh, publicado em 4 de fevereiro de 2021, autoria de Jay Heiser e Felix Gaehtgens 

  • “A computação em nuvem oferece a escalabilidade e acessibilidade necessárias para hospedar serviços de segurança que podem oferecer suporte confiável e conveniente a uma malha de segurança cibernética global. Oferecer tecnologia como um serviço significa que o fornecedor é responsável pela manutenção de rotina e atualizações. A equipe de segurança cibernética corporativa pode se concentrar na manutenção da política, enquanto deixa o fornecedor se preocupar com o encanamento. A pesquisa do Gartner indica que 80% das organizações esperam usar a segurança como um serviço até 2023”.

Por que empresas estão migrando para a nuvem e como isso está relacionado à segurança de dados? 

Como seus dados são armazenados na nuvem, você pode acessá-los independentemente do que aconteça com sua máquina. Você pode até mesmo apagar dados remotamente de aparelhos perdidos para que não caiam nas mãos erradas.

Nesse caso, ela contribui com dois aspectos importantes:

Automação do processo de segurança

A falta de uma equipe de segurança experiente deve levar as organizações a confiar cada vez mais na automação do processo de segurança. As ferramentas de automação garantem operações de segurança contínuas, automatizadas com base em regras e procedimentos pré-estabelecidos.

Assim, as tarefas de segurança podem ser realizadas de forma rápida, eficaz e com menos chances de erros.

Privacidade de dados como foco

Com as crescentes preocupações em relação ao gerenciamento e segurança de dados, a privacidade deve ser uma parte dos requisitos de conformidade. Na nuvem, isso já está definida como uma disciplina própria e cada vez mais significativa para manter o alinhamento em relação a cibersegurança.

Lembre-se que a privacidade de dados afeta quase todos os aspectos de uma organização, desde a direção da estratégia corporativa até o alinhamento direto com segurança, RH, governança e compras. Mas com a nuvem, fica muito mais fácil atender os requisitos da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados).

Agora que você já sabe tudo sobre cibersegurança e como a nuvem trabalha para garantir o alto nível de segurança, migre seu sistema para a nuvem em poucas horas e reduza até 70% dos seus gastos de TI com as soluções da Sky.One!